9 comentários

Filosofia Pop #013 – Direito dos Estrangeiros: Hospitalidade e Tolerância


Murilo Ferraz e Marcos Carvalho Lopes recebem Maria Clara Dias, doutora em Filosofia e professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) para falar sobre direito dos estrangeiros, hospitalidade e tolerância.

A ideia do podcast Filosofia Pop é trazer discussões filosóficas com pitadas de referências culturais.

Se você não conhece ainda a mídia podcast e tem dúvidas sobre como acompanhar o programa, veja este guia.

Vamos nos encontrar aqui a cada duas semanas para iniciar conversas filosóficas, sempre às segundas-feiras, e continuar o papo com vocês nos comentários e redes sociais.

Se você curtiu o episódio, deixe seu comentário. É muito importante termos o retorno dos nossos ouvintes.

Você pode também enviar um e-mail para contato@filosofiapop.com.br.

Ajude a divulgar nosso trabalho curtindo nossa página no Facebook e avaliando nosso programa no iTunes.

Siga o Filosofia Pop no Twitter.

Com vocês, mais um episódio do podcast Filosofia Pop!


Sobre a Maria Clara Dias

Maria Clara Dias
Doutora em Filosofia pela Freie Universitat Berlin, com pós-doutorado na Universidade de Connecticut (2003) e na Universidade de Oxford (2006/2007), Maria Clara Dias é atualmente professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Coordena o acordo entre o Centro de Ética e Filosofia da Mente (CEFM) e o Oxford Uehiro Centre for Practical Ethics da Universidade de Oxford; o grupo de pesquisa em Direitos Básicos, Justiça Social e Políticas Públicas (CNPq) e o Projeto Núcleo de Inclusão Social (NIS). É editora da Revista Diversitates e membro da Sociedade Internacional Latina e Latino Critical Legal Theory (LATCRIT) e do Network for Information and Computer Ethics do Department of Philosophy da University of Hertfordshire. É vice-diretora da Sociedade de Bioética do Estado do Rio de Janeiro. Em 2010, recebeu o prêmio Cientista do Nosso Estado da FAPERJ, com o projeto atualmente vinculado à bolsa de produtividade em pesquisa do CNPq.

Livros da Maria Clara Dias na Amazon
Site Perspectiva dos Funcionamentos
Os Direitos Sociais Básicos
Currículo Lattes da Maria Clara Dias

VI Encontro Carioca de Direito dos Animais (ECADIA) – 2014


Comentados no episódio

0h01m00s – Pauta principal
John Rawls
John Rawls
(21/02/1921 Baltimore, EUA –
24/11/2002 Lexington, EUA)
Jürgen Habermas
Jürgen Habermas
(18/06/1929 Düsseldorf, Alemanha -)
Platão
Platão
(428 a.C. Atenas, Grécia – 348 a.C. Atenas, Grécia)
Sam Harris
Sam Harris
(09/04/1967 Los Angeles, EUA -)
0h47m10s – Indicações de livros, músicas e vídeos

Indicações da Maria Clara Dias:

Livros

Filmes

Promessas de um novo mundo (2001)

Estamira (2005)

Lixo Extraordinário (2010)

Indicações do Marcos:

Livros

Indicações do Murilo:

Podcast

Xadrez Verbal

Murilo Ferraz

Graduado em Ciência(s) da Computação, fotógrafo amador e agora podcaster

  • Andre Antunes

    Galera, descobri o podcast de vocês recentemente e esse foi o primeiro episódio que ouvi (#13). Muito, muito interessante e relevante a discussão que vcs tiveram com a Prof. Maria Clara Dias. Obrigado por oferecerem conhecido filosófico pros leigos. Sou biólogo mas me interesso muito pela filosofia, principalmente por ética. Grande abraço e sucesso!

    • Obrigado, Andre. Muito legal receber mensagens de apoio como esta. Continue acompanhando nosso trabalho.

      Abraço,

  • Nélio Neves

    Meu amigos, mais uma vez, parabéns. Que episódio fantástico. Discussão muito boa e equilibrada. Eu, que sou vegano, gostei muito quando a professora Maria Clara expandiu a discussão para que ela englobasse os animais. Mesmo eu adotando uma orientação voltada ao direito dos animais, nunca me questionei que uma mesma lei pode ser aplicada para animais e humanos. Com certeza ampliou meu raciocínio sobre esta questão.
    Quero deixar meu comentário sobre Estamira. Gosto muito deste filme, um retrato de uma questão que a maioria da população não quer discutir. Só me senti desconfortável com a exploração da imagem da Estamira. Me pareceu, e por favor me corrijam se estiver errado, que a constante atuação da equipe na vida dela parece ter causado mais problemas para a protagonista. Mesmo assim ainda acho que é um filme obrigatório.
    Muito obrigado pessoal.

    • Gostei muito do seu comentário, @nelioneves:disqus. Eu não vi Estamira ainda mas você levantou um questionamento muito interessante. Tem um documentário (que eu também não vi, pretendo ver ainda) que vai mais ou menos nessa linha de questionamento, investigando o que aconteceu com as pessoas que participaram do filme Cidade de Deus dez anos depois: https://www.youtube.com/watch?v=-nLAB-YESTs

    • Marcos

      Oi Nélio, compartilho de sua reserva quanto a Estamira. Acho que é necessário não romantizar a dor e não tomar a doença mental como uma virtude a ser celebrada. Me parece que James Joyce tinha uma filha esquizofrênica e o médico comparou: enquanto você, Joyce, faz o que quer com a linguagem, ela se afoga nas palavras. Parece que a peça de Dani Barros (http://estamirabeiradomundo.tumblr.com/), neste sentido, é mais cuidadosa que o documentário (o que parece estranho dizer, já que o filme foi muito premiado). De todo modo, já ouvi que Estamira faz a verdadeira filosofia, reciclando e devolvendo o lixo que é nossa cultura etc… a celebração da dor nestes termos é (como diria Jards Macalé) morbeza romântica.

  • Fernando Eduardo Pollheim

    Muito boa a discussão do cast #013, embora eu não concorde com tudo, e está aí o fundamento da tolerância, achei a exposição de Maria Clara, muito equilibrada e sensata. Continuem “castiando” filosofia.

    • Obrigado pelo comentário, @fernandoeduardopollheim:disqus. Vamos continuar com o trabalho sim, é muito bom saber que tem gente curtindo, faz valer a pena todo o trabalho.

      Abraço.

  • Fernando Eduardo Pollheim

    nunca me manifestei mais já ouvi os 12 cast uma 2 ou 3 vezes. Estou gostando muito!

    • Marcos Carvalho Lopes

      Que bom que se manifestou… a palavra faz toda a diferença! Que bom que está gostando! Para mim tem sido uma experiência muito desafiadora e, sendo assim, algo que contribui para o aprimoramento. Se mais gente acha isso, estamos mais do que justificados. Mas o feedback é sempre “um sinal de prestígio” e cuidado. Obrigado!