11 comentários

Filosofia Pop #015 – Filosofia Africana: Ubuntu


Murilo Ferraz, Marcos Carvalho Lopes e Adilbênia Machado recebem Wanderson Flor, Mestre em Filosofia, Doutor em Bioética e professor da Universidade de Brasília (UnB) para falar sobre Ubuntu na Filosofia Africana.

Participe do sorteio do Kit de livros em comemoração às 500 curtidas na nossa página no Facebook. Confira as regras e participe!

A ideia do podcast Filosofia Pop é trazer discussões filosóficas com pitadas de referências culturais.

Se você não conhece ainda a mídia podcast e tem dúvidas sobre como acompanhar o programa, veja este guia.

Vamos nos encontrar aqui a cada duas semanas para iniciar conversas filosóficas, sempre às segundas-feiras, e continuar o papo com vocês nos comentários e redes sociais.

Se você curtiu o episódio, deixe seu comentário. É muito importante termos o retorno dos nossos ouvintes.

Você pode também enviar um e-mail para contato@filosofiapop.com.br.

Ajude a divulgar nosso trabalho curtindo nossa página no Facebook e avaliando nosso programa no iTunes.

Siga o Filosofia Pop no Twitter.

Com vocês, mais um episódio do podcast Filosofia Pop!


Sobre o Wanderson Flor

Wanderson Flor
Wanderson Flor é mestre em filosofia e doutor em bioética pela Universidade de Brasília (UnB). É professor Adjunto do Departamento de Filosofia da Universidade de Brasília (UnB), do Programa de Pós-graduação em Bioética (FS-UnB) e Co-líder do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação, Raça, Gênero e Sexualidades Audre Lorde – GEPERGES Audre Lorde (UFRPE/UNB-CNPq). Pesquisador das áreas de Filosofia Africana, Interfaces entre a filosofia e a educação, Ética, Filosofia Política e, também, das bases conceituais da Bioética.

Site Filosofia Africana
Currículo Lattes do Wanderson Flor


Comentados no episódio

0h01m20s – Pauta principal
1h00m00s – Indicações de livros, músicas e vídeos

Indicações do Wanderson Flor:

Livros

Referências da Filosofia Africana - José Castiano
Referências da Filosofia Africana – José Castiano

Filmes

Em Minha Terra (2003)

O Cuidar no Terreiro

Keita! A herança do Griot. Keïta! l’Héritage du Griot (Burkina Fasso 1995) – Dani Kouyaté

Músicas

Eddy Kenzo – Sitya Loss

Miriam Makeba – Pata Pata

Indicações do Marcos:

Rádio:

Rádio África – Dj Sankofa

Filmes:

Taafé Fanga, o poder da saia – Adama Drabo(1997)

Músicas

Bota a Fala – Preconceito

Indicações do Murilo:

Distribuição Linux:

Ubuntu

Murilo Ferraz

Graduado em Ciência(s) da Computação, fotógrafo amador e agora podcaster

  • Lucas Souza

    Brother.
    Eu só escuto pleo iphone, mas vim atrás do site só para lhe agradecer por esse projeto.
    Estudo pedagogia na Cidade de Bertioga-SP, e vejo essa constante necessidade de uma filosofia que me represente e a dificuldade em achar material de pensamento africano para com o brasil.
    Amei esse dialogo de vocês. muito obrigada.

    • Marcos

      Oi Lucas, tem mais algumas coisas no site: textos, traduções…. Confira (e comente!). Abraço e obrigado pelo incentivo.

  • Barbara Oliveira

    Olá. Descobri o mundo do podcast há pouco tempo e ainda procuro por temas que eu gosto. Encontrei vocês e só vim dizer que estou adorando! Amei esse podcast sobre Ubuntu e fiquei muito feliz que divido a UnB com o maravilhoso professor Wanderson Flor. Confesso que não sabia que na UnB havia alguém pensando sobre filosofia africana. Procurarei ler as sugestões! Continuem o cast que tá maravilhoso!

    • Marcos

      Obrigado por deixar seu comentário e incentivo.Esse programa com o Wanderson foi muito legal de gravar e efetivamente abre caminhos… Espero ler suas impressões e comentários sobre outros episódios. Valeu!

  • Jonas Pereira

    Parabéns pelo podcast!
    Não ouvi todos os episódios ainda, mas recomendei todos que ouvi! ^^

    Só gostaria de sugerir que fosse colocada uma imagem que refletisse um pouco o tema, talvez alguma arte sugerida pelo convidado, que aparecesse quando compartilhássemos o episódio no facebook.
    Mas como não faço ideia de como se faz isso, não vou ficar incomodando caso não aconteça nos próximos episódios. hahaha

    Muito sucesso!
    Abraços!

    • Obrigado, @disqus_l0cCYoYBCf:disqus. Que bom que gostou do podcast, é muito legal receber o retorno da galera apoiando a gente.

      Nós não temos ninguém pra fazer arte pra gente ainda, já pensamos em colocar. Tecnicamente é fácil, falta a imagem mesmo.

      Obrigado pela sugestão. Espero que continue ouvindo a gente.

      Abraço!

  • netuh

    Olá, eu sou o hater que veio reclamar no outro programa. =P

    Esse eu venho elogiar muitissimo. Nesse programa eu pude ter uma boa noção da filosofia Africana. Em especial devido a introdução do Wanderson Flor. Sempre que me vem algo novo sobre filosofia, eu tento encaixar e comparar com os modelos padrões que estou acostumado.

    Só por dizer que pra a filosofia Africana, você não deve fazer isso. E que só isso de querer um conceito já seria uma tradição ocidental. O mundo se abriu pra mim. Lutei durante todo o cast pra evitar fazer comparações com correntes filosoficas e etc. E acho que consegui ter uma noção boa sobre o que seria o Ubuntu (mas minhas críticas ao programa anterior se mantêm, não tiro uma palavra).

    Mas fiquei com alguns questionamentos depois do cast. Não sei se alguém pode me esclarecer. O primeiro seria, a noção de Ubuntu exige um viés Africano? Ou pode haver Ubuntu sem estar necessariamente ligado a África?

    E meu segundo questionamento seria. Numa perpectiva Ubuntu, a globalização seria sempre ruim, ou uma globalização Ubuntu seria onde os povos respeitassem as culturas uns dos outros? Ou nenhum nem outro?

    No mais ótimo cast.

    • @netuh:disqus, se todo hater fosse como você a internet seria um lugar bem melhor… hahahhaa

      Suas críticas são sempre bem-vindas. Sempre que discordar de algo fale.

      Sobre a relação da Filosofia Africana com a Filosofia tradicional ocidental, se a gente comparar com o programa que abordamos a Filosofia japonesa, dá pra notar que a relação é bem diferente.

      Não saberei responder as outras questões, vou deixar pros especialistas.

      Abraço.

    • Uã Flor Do Nascimento

      Olá, Netuh!
      Agradeço pelas palavras e pelos questionamentos.

      De fato é muito difícil pensar “fora” de nossas tradições, já que elas são balizadores de nossos modos de ver e refletir. Minha sugestão é sempre notar que este movimento acontece para buscar, através de uma “auto-análise epistêmica” estabelecer limites para nosso etnocentrismo (do qual ninguém está totalmente livre).

      Sobre teus questionamentos eu arriscaria algumas respostas parciais:

      A perspectiva ubuntu, mais que exigir um viés africano – se é que um tal viés existe -, pede que estejamos atentas/os aos modos em que a experiência histórica e geo-política determina algumas condições para que pensemos. Com isso penso que seja importante entender o contexto no qual a perspectiva ubuntu surge e a quais problemas ela tenta reagir. E isso demanda uma compreensão dos processos históricos nos quais o continente africano está imerso. Por outro lado, enquanto categoria, ubuntu tem algumas pretensões de universalidade; portanto, um sul-africano diria que todo lugar onde ntu estiver presente (ou seja, em todo os lugares) seria possível encontrar a “possibilidade” de ubuntu (a repetição aqui é proposital), mesmo que a experiência ubuntu não tenha sido identificada ou refletida.

      Alguns teóricos que trabalham com a categoria de ubuntu têm feito uma abordagem da globalização de modo a complexificar o entendimento do fenômeno. Mogobe Ramose, por exemplo, tende a pensar que o problema da globalização é exatamente “o que se globaliza”. Se o que se globaliza é uma perspectiva dogmática e hierarquizante da economia, na qual a moeda mais que um meio para um sistema de trocas, torna-se, na modernidade, um fim em si mesma, ela se torna problemática, mas seria possível, na perspectiva dele, a abordagem de uma filosofia ubuntu dos direitos humanos que buscasse mundializar a solidariedade que fosse respeitosa das diversidades culturais. Ou seja, do ponto de vista mais amplo, a globalização não seria essencialmente nem boa e nem ruim, a depender do que se pretenda globalizar.

      Abraços

  • Aline Matos

    A fala do professor wanderson que está profundamente ligada com a sua própria experiência, nos ajuda a compreender e nos aproximar do Ubuntu. Tendo em vista, que há muita incompreensão e mau uso da Filosofia Africana – Ubuntu (a publicação de um livro em português “Ubuntu! Eu sou porque nós somos”, do Stephen Lundin e do Bob Nelson, é apenas um dos inúmeros exemplos que muito contribuem para tal). Parabéns à todas as pessoas envolvidas por essa bela entrevista ; )

    • Obrigado pelo comentário, @disqus_zMdMYAxdkm:disqus. Fico feliz que tenha curtido o episódio e que tenha sido útil pra você. O apoio dos ouvintes é que faz todo o trabalho valer a pena.

      Abraço