28 comentários

Filosofia Pop #024 – Legião Urbana


Murilo Ferraz e Marcos Carvalho Lopes falam sobre a banda Legião Urbana.

A ideia do podcast Filosofia Pop é trazer discussões filosóficas com pitadas de referências culturais.

Se você não conhece ainda a mídia podcast e tem dúvidas sobre como acompanhar o programa, veja este guia.

Vamos nos encontrar aqui a cada duas semanas para iniciar conversas filosóficas, sempre às segundas-feiras, e continuar o papo com vocês nos comentários e redes sociais.

Se você curtiu o episódio, deixe seu comentário. É muito importante termos o retorno dos nossos ouvintes.

Você pode também enviar um e-mail para contato@filosofiapop.com.br.

Ajude a divulgar nosso trabalho curtindo nossa página no Facebook e avaliando nosso programa no iTunes.

Siga o Filosofia Pop no Twitter.

Com vocês, mais um episódio do podcast Filosofia Pop!


Comentados no episódio

1h11m00s – Indicações de livros, músicas e vídeos

Indicações do Marcos:

Filmes

Pier Paolo Pasolini – Teorema (1968)

Numéro Deux (1975)

L’Avventura (1960)

Excalibur (1981)

Livros

Sidarta - Hermann Hesse
Sidarta – Hermann Hesse
A montanha mágica - Thomas Mann
A montanha mágica – Thomas Mann
Ensaios Legionários - Marcos Carvalho Lopes
Ensaios Legionários – Marcos Carvalho Lopes
Só por hoje e para sempre - Renato Russo
Só por hoje e para sempre – Renato Russo
Memórias de um Legionário - Dado Villa-lobos
Memórias de um Legionário – Dado Villa-lobos
Conversações com Renato Russo - Renato Russo
Conversações com Renato Russo – Renato Russo

Murilo Ferraz

Graduado em Ciência(s) da Computação, fotógrafo amador e agora podcaster

  • JJota

    Ainda lembro, assistindo uma entrevista dele na MTV, acho que em 1993, 1994, o quanto fiquei emocionado quando ele disse que a “verdadeira Legião são os fãs!”.

    • Marcos

      É… e somos!

  • Juliana

    Li o livro do Dado e o diário do Renato mês passado. Só a partir daí tive conhecimento de quanto tudo era esquematizado no projeto de um CD. E a análise de vocês corroba bem minha impressão. Muito bom. Quero ler seu livro Marcos.

    • Valeu pelo comentário, Juliana. O livro do Marcos é muito bem desenvolvido ao longo de vários anos, vale a pena ler. Aguardo seus comentários nos próximos episódios.

      Abraço.

  • Music

    Muito bom. Parabéns!!!

  • Anderson Canale Garcia

    Simplesmente incrível!

  • Nélio Neves

    “cisão entre político e privado” e “a MPB não representa mais o país como um todo”. Nunca percebi isso, mas agora que você disse fez muito sentido pra mim. E falar em separação entre político e privado é um tema bem atual, hehehehe.
    Pessoal, mais um episódio brilhante. Parabéns.

    • Valeu, @nelioneves:disqus! Desde o começo do podcast queríamos falar sobre Legião Urbana, o Marcos tem muito trabalho sobre a banda. Sempre é arriscado falar porque tem muita questão de gosto pessoal, muita gente vai deixar de ouvir porque não gosta da banda.

      Obrigado por acompanhar a gente nesta jornada!

      Abraço.

  • Fábio Fontana de Souza

    Oi Galera, muito bom esse episódio.
    Gostei muito da contextualização do discos do Legião. É engraçado que na época do Legião eu escutava muito punk e hardcore (Bad Brains, Lobotomia, dentre outros) e tinha a percepção era que o Legião era uma banda comercial de rádio, aprendi a gostar de Legião muito depois da morte do Renato (Russo, Rosseau, Russell tá russa a coisa hehehehe).
    Seguindo a moda “Toca Raul” gostaria muito de um episódio sobre a banda Patu Fu e também como o Pablo mencionou a banda Engenheiros.
    Um forte abraço e contém com minha audiência!

    • Ola, @fbiofontanadesouza:disqus! Que bom que curtiu o programa. O programa sobre Engenheiros vai sair com certeza. Pra outras bandas temos que encontrar quem fale do assunto.

      Esse negócio de definir quem é “punk de verdade” é complicado até pros mais punks. Eu acho que Legião Urbana era mais pós-punk.

      E as corridas? Continua firme nelas?

      Abraços!

      • Fábio Fontana de Souza

        Concordo, vejo o Legião como pós-punk também, o Aborto Elétrico era mais puxado para o punk. Também vejo muita inspiração do Ian Curtis do Joy Division. Quanto as corridas continuo firme e forte (com preguiça também heheheh), amanhã vou aproveitar que estou de folga do trabalho e vou correr e escutar o episódio sobre podcast.

    • Marcos

      Oi Fábio, que bom que gostou. É sempre um risco propor esse tipo de tema que pode agradar e desagradar por motivos de identificação. Em sala de aula, quando levava canções da Legião, dividia as torcidas; o mesmo com Engenheiros… de todo modo, garantia um “gancho empático” para começar um diálogo. Essas bandas não eram usadas como tema, mas como uma espécie de “abertura para” estudar x ou y. Tomá-los como tema sempre é um risco. Mas quem anda na corda bamba tem que manter a esperança de chegar do outro lado. Quando vem um comentário como o seu, parece que valeu a travessia.
      Sobre Pato Fu eu não sei se conseguiria fazer um programa, porque eles tem um toque de ironia anti-intelectual que os afasta das tentativas épicas e teóricas de Legião, Engenheiros e cia. Parecem ir na contramão dessa pretensão, aparecendo justamente quando ela perdia o sentido. Ou talves seja eu que esteja nessa zona cinzenta geracional…
      Sobre Engenheiros vamos ver quando rola. Tentei convidar o Gessinger, assim como antes tentei o Dado Villa-Lobos. Não deu. Mas talvez faça parte do desvio de quem saí da Infinita Highway para a Avenida Anonimato.
      Obrigado!

      • Fábio Fontana de Souza

        Já fico na expectativa do Engenheiros então. As letras do Pato acho fantásticas exatamente pela dificuldade de teorizarmos, mas por percebermos que tem algo muito interessante. Minha esposa não aquenta mais ter que escutar a música “eu” (https://www.letras.mus.br/pato-fu/30232/), coloco direto no carro, quando não sei o que ouvir ou vai Ramones ou Pato Fu hehehehhehehe….. Já Engenheiros sou fã de carteirinha, vai ser bem legal.

  • Em praticamento todo episódio vcs citam como referência Engenheiros do Hawaii – e até no episódio de Legião Urbana vcs citam Enghaw!
    Cadê episódio de filosofia e Engenheiros do Hawaii?!
    Adoraria ouvir sobre isso!

    • Comentei enquanto ouvia e agora que cheguei ao fim, ouvi a promessa de um episódio sobre eles! 😀

      • Vamos gravar aí um dia…. Mas vai sair sim.

      • Marcos

        Deve rolar… Camus, Sartre, Eco, Venturi e até Deleuze na salada…

  • Apenas parabéns pelo ótimo episódio e obrigado!

    • Obrigado, @ivansp:disqus! Pretendemos fazer outros episódios sobre música.

      Abraço!

      • O samba daria bastante assunto.

      • De fato daria. Está nos planos falar sobre isso. O Ronie e o Marcos tem trabalhos falando sobre samba.

      • Marcos

        Uma boa…melhor ainda se o papo fosse com alguém da esquina Samba e Filosofia… Vamos ver se acho alguém nessa ebcruzilhada. Na Unilab, em São Francisco do Conde, chamei o cantor e compositor Márcio Valverde pra falar de Bossa Nova… falar com o violão na mão é diferente… https://www.youtube.com/watch?v=nWXrLaCzfGM

  • Fernnando Sussmann

    Olá filosofia popers (pode chamar assim? EUHEUHEUHEUHE)! Estava ouvindo esse otimo episódio e percebi que falaram da musica love song do disco V ser uma musica em espanhol, mas na verdade é em Galego-portugues que influenciou tanto a lingua portuguesa quanto espanhola. A cantiga é de Nuno Fernandez Torneol e pode ser encontrada na integra aqui http://sondepoetas.blogspot.com.br/2008/02/pois-naci-nunca-vi-amor.html já que a musica é só a primeira estrofe.

    • Olá, @fernnandosussmann:disqus! Eu já tinha ouvido falar que a canção era em galego-português mas fiquei em dúvida na hora. Fica aí a correção. Obrigado pelo comentário.

      Abraço.

    • Marcos

      Oi Fernando, valeu pelo comentário. Falando a gente simplifica e por vezes acaba errando. Os dados estão certos no texto do meu livro, mas, curiosamente, no glossário final há uma derrapada (está que o autor é do século XVIII e não XIV), como seria correto Peço alguma indulgência por falar em “espanhol”, já que neste período a fronteira entre as línguas não eram tão definidas, estaria melhor dizer que “soa como espanhol”. Mas não vamos ficar presos nesse narcisismo das pequenas diferenças. Tomará que, para além disso, o episodio tenha se sustentado.

    • Anderson Canale Garcia

      É uma trova 🙂