14 comentários

Filosofia Pop Especial #001 – 50.000 Downloads


Murilo Ferraz e Marcos Carvalho Lopes, em comemoração aos 50000 downloads do podcast, fazem a leitura de vários comentários dos ouvintes.

A ideia do podcast Filosofia Pop é trazer discussões filosóficas com pitadas de referências culturais.

Se você não conhece ainda a mídia podcast e tem dúvidas sobre como acompanhar o programa, veja este guia.

Se você curtiu o episódio, deixe seu comentário. É muito importante termos o retorno dos nossos ouvintes.

Você pode também enviar um e-mail para contato@filosofiapop.com.br.

Ajude a divulgar nosso trabalho curtindo nossa página no Facebook e avaliando nosso programa no iTunes.

Siga o Filosofia Pop no Twitter.

Com vocês, mais um episódio do podcast Filosofia Pop!


Comentados no episódio

Lista de blogs e sites seguros para mulheres

Murilo Ferraz

Graduado em Ciência(s) da Computação, fotógrafo amador e agora podcaster

  • Fabio Montarroios

    Sobre Goiânia ser o centro do universo tenho lá minhas dúvidas… mas ouvindo o podcast aqui de São Paulo fico extremamente satisfeito em saber que se produz um ótimo material fora do celebrado e incensado eixo RIO-SP. Quando mais distinta for a origem e a procedência dos convidados tanto melhor! Um cara de Niterói, estudando na Alemanha, que dá aula no Amazona, falando de teatro e filosofia (se me lembro bem da trama do último convidado) seria uma combinação improvável, mas eis q vcs a articulam. Nada absolutamente contra o que se diz e o q se faz no eixo RIO-SP, mas estando nele, muita coisa boa fica de fora. Ou melhor, ficava, graças ao esforço de vcs. Parabéns.

    • Tem muita gente fazendo muita coisa boa no país inteiro, vamos tentando trazer cada vez mais pessoas. Obrigado pelo seu apoio, espero contar com você nos próximos episódios.

      Abraço.

  • Fabio Montarroios

    Apesar dos diversos comentários sobre a qualidade do áudio ser ruim, devo discordar. Não que a qualidade seja boa, mas acho necessário fazer aqui um elogio à precariedade (que nem considero tão grave nesse caso). Esse desejo de perfeição, de pureza, de tratamento profissional mesmo em propostas e projetos nitidamente menos equipados faz com que se manifeste um imperativo da qualidade. Ora, se assim fosse não haveria a Tropicália. Ou os filmes do Glauber Rocha teriam que ser descartados já que em muitos pontos é duro ouvir o que falam as personagens. Um simples fone de ouvido ajuda a ouvir o podcast em questão, então, não vejo necessidade de fazer com que os elaboradores do projeto passem agora a terem que se preocupar também com a produção e com a qualidade do áudio. Se a atenção recair tão somente sobre o tema, sobre quais convidados escolher e sobre toda as incertezas que ficam quando se fala de filosofia, dou-me por satisfeito. Tá cheio de programa aí com áudio de primeira e conteúdo de quinta… Ouvi o programa sobre o feminismo com um fone de ouvido simples em casa e tudo me pareceu audível. Depois ouvi este programa caminhando pela rua, cercado ruídos de todo sorte, e também ouvi perfeitamente… Por mim, tá tudo certo. Abraços!

    • Obrigado, @EPMnIvWTKTAD:disqus. Se tivermos que escolher entre conteúdo e qualidade de áudio, com certeza escolheremos conteúdo. Mesmo assim, estamos sempre procurando melhorar a qualidade. As críticas são sempre bem-vindas, especialmente quando apontam para melhorias.

      Abraço.

  • Nélio Neves

    Amigos, parabéns. O trabalho de vocês merece o reconhecimento.
    Um abraço.

    • Valeu, @nelioneves:disqus. Obrigado por sempre apoiar nosso trabalho. É muito bom ver que tem tanta gente legal acompanhando e contribuindo sempre.

      Abraço!

    • Marcos

      Obrigado Nélio! Vamos em frente!

  • Ragnar_o_Viking

    Caramba, o podcast parece ter sido gravado pra mim rs

    Tive um comentário lido, ouvi esse episódio do podcast enquanto corria, ouço mdm (como alguns outros ouvintes)

    Quanto à resposta ao meu comentário, minha sugestão por uma busca igualitária não diminui a importância do movimento delas. Acho que estava meio ranzinza no dia e irritado com militantes em geral. É por isso que sou ateu/cético mas me irrito com a galera muito extremista nesse sentido. O mesmo quanto ao feminismo e outros “ismos”. Sabe quando o debate de ideais fica preso em repetições infinitas dos mesmos argumentos, às vezes extremamente emocionais, em que nenhum dos lados vai dar o braço a torcer? E que às vezes os dois lados tem motivos pra não recuar em nada? Então.

    Continuem assim que vocês vão longe, o programa é excelente e só tem melhorado com o tempo.

    • @ragnar_o_viking:disqus, obrigado pelo comentário. Legal saber dessas coincidências… hehehe

      Às vezes em algum debate o interlocutor não está interessado em ouvir e ponderar argumentos e fica apenas monólogos que não conversam. Nesses casos, talvez a platéia se beneficie de ouvir posições diferentes.

      Abraço.

    • Marcos

      Valeu… ! Pensamento em movimento…

  • Que foda!!!!

  • Sanchez

    Parabéns, caras!