3 comentários

Filosofia Pop #016 – Teatralidade e Filosofia


Murilo Ferraz e Marcos Carvalho Lopes recebem Theo Fellows, doutorando em Filosofia e professor na Universidade Federal do Amazonas, para falar sobre Teatralidade e Filosofia.

A ideia do podcast Filosofia Pop é trazer discussões filosóficas com pitadas de referências culturais.

Se você não conhece ainda a mídia podcast e tem dúvidas sobre como acompanhar o programa, veja este guia.

Vamos nos encontrar aqui a cada duas semanas para iniciar conversas filosóficas, sempre às segundas-feiras, e continuar o papo com vocês nos comentários e redes sociais.

Se você curtiu o episódio, deixe seu comentário. É muito importante termos o retorno dos nossos ouvintes.

Você pode também enviar um e-mail para contato@filosofiapop.com.br.

Ajude a divulgar nosso trabalho curtindo nossa página no Facebook e avaliando nosso programa no iTunes.

Siga o Filosofia Pop no Twitter.

Com vocês, mais um episódio do podcast Filosofia Pop!


Sobre o Theo Fellows

Theo Fellows
Theo Fellows é doutorando em Filosofia na Universidade Técnica de Berlim, na Alemanha, graduado em Artes Cênicas, Habilitação em Direção Teatral, pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Tem experiência na área de Artes Cênicas, tendo trabalhado como ator, diretor, dramaturgo e assitente de direção em espetáculos acadêmicos e profissionais. Possui também o título de Mestre em Filosofia (2011) pelo Instituto de Filosofia e Ciências Sociais (IFCS) da UFRJ.

Currículo Lattes do Theo Fellows


Comentados no episódio

1h01m00s – Indicações de livros, músicas e vídeos

Indicações do Theo Fellows:

Livros

Filmes

Ricardo III – Um Ensaio (1996)

Jogo de Cena (2007)

Moscou(2009)

A Pele de Vênus (2013)

A viagem do capitão Tornado (1990)

Autores

Nelson Rodrigues
Nelson Rodrigues
(23/08/1912 Recife, Pernambuco –
21/12/1980 Rio de Janeiro, Rio de Janeiro)
Dias Gomes
Dias Gomes
(19/10/1922 Salvador, Bahia –
18/05/1999 São Paulo, São Paulo)

Indicações do Marcos:

Filmes

Wittgenstein (1993)

Livros

1h12m15s – Vencedora do sorteio do kit de livros

Verônica Christina Dutra

Murilo Ferraz

Graduado em Ciência(s) da Computação, fotógrafo amador e agora podcaster

  • Alexandre A

    Comecei há pouco escutar os podcasts. Estou começando do
    começo e gostando bastante, de verdade. Parabéns pela ideia de criar algo assim
    e pelo trabalho! Tenho uma sugestão. Vocês veem alguma semelhança entre a força
    em Star Wars e a Vontade de Arthur Schopenhauer? Está aí uma ligação pop! Desde
    a primeira vez que li Schopenhauer fiz essa associação. Apesar de que
    Schopenhauer chega a dizer em O Mundo como Vontade e Representação que a Vontade
    não é uma força, pois, força tem a ver com o mundo fenomênico. A vontade seria
    algo metafísico. No entanto, a Vontade se manifesta em forças, no corpo e em
    tudo que existe. Também penso a força em Star Wars como algo metafísico que,
    assim como a Vontade de Schopenhauer, se manifesta no corpo e no físico (mundo
    fenomênico). A diferença é que a Vontade, penso, não seria algo controlável. Talvez o George Lucas (olha que heresia a minha!) não tenha sido
    tão criterioso quanto Schopenhauer para identificar isso que ele chama de
    Força. Poderíamos pensar também na Vontade de Poder em Nietzsche,
    mas ainda fico na relação entre a Vontade de Schopenhauer e a Força. Todavia, a
    ética dos Siths parece-me nietzschiana. O que acham? Abraço.

    • Oi, @disqus_2l7fMyHmaY:disqus. Obrigado pelo seu comentário. Eu não entendo nada de Schopenhauer, mas pra fazer essa relação teria que, pelo menos, ignorar o Episódio I, né? Os “midichlorians” não tem nada de metafísicos.

      Abraço.

      • Alexandre A

        Ah! Não sou um um aficionado pela franquia, apenas gosto, sempre assisti, vou assisti os novos, mas só isso. 🙂

        Então, só de ser força, só dessa coisa que existe no mundo Star
        Wars ser identificada como força, seja qual for o episódio, já não seria metafísica, segundo Schopenhauer no Mundo como Vontade e Representação. Para Schopenhauer força é algo físico, está
        no mundo fenomênico. Dizer que a Vontade é uma força seria um equívoco. Tinha esquecido das midi-chlorians, realmente. Mas, mesmo assim ainda vejo uma ligação.

        Mas olha o que achei – “sem os midi-chlorians, não haveria vida, e nós não teríamos conhecimento da Força. Elas continuamente
        comunicam conosco, mostrando-nos a _vontade_ da Força. Quando aprenderes a tranquilizar a tua mente, irá ouvi-las falando” – Qui-Gon Jinn para Anakin Skywalker

        “Midi-chlorians são formas de vida microscópicas inteligentes que viviam dentro das células e eram os responsáveis pela geração
        da Força nos corpos. _Eles não eram, no entanto, a Força em si_, eles eram apenas uma ligação a ela, agindo como um órgão sensitivo que poderia ser percebido. Na sua essência, os midi-chlorians eram a conexão entre a mente do ser e a Força, fazendo com que certos seres sejam capazes de manipulá-los.”

        Fonte: http://pt.starwars.wikia.com/wiki/Midi-chlorian

        Abraço.